A arte de não desistir quando a vida diz não


Entre todos os abismos que nos separam do que chamamos de felicidade, o maior de todos é o medo.


O medo dos nãos com os quais nos deparamos, o medo da velocidade com que a vida muda, hora voando, hora no chão. É essa velocidade com que as coisas vem e vão que, muitas vezes, nos paralisam.

Talvez seja essa a lição mais difícil de aprender, a arte de não desistir quando a vida diz não. Mudar a rota não é missão fácil. Deixar vir, deixar ir, reaprender a sorrir quando uma porta se fecha é exercício de resiliência, de desapego. Saber esperar o tempo das coisas, respeitar nosso próprio tempo para entender que se recolher hoje é necessário para nos reencontramos amanhã requer maturidade. Paciência é um super poder, não se engane, não é fácil descobri-la em nós, só a aprendemos com muito exercício.


Muitas vezes também, somos nós que criamos expectativa e culpamos a vida por nos decepcionar. Infelizmente nada é para já, nada é exatamente como planejamos, ou como queremos, ou, principalmente, como sonhamos. O importante é descobrir outro caminho, mesmo que seja mais difícil, mesmo que precisemos voltar atrás.



Nem sempre saberemos lidar com as coisas que acontecem, principalmente com as que aparecem inesperadamente, e tudo bem. Estamos aqui para aprender a aceitar quando não for o momento. Somente esbarrando com o não é que reaprendemos a sonhar, somente assim a gente descubra que precisa bem menos do que imagina.


São essas dificuldades que experimentamos que nos fazem mais fortes e mais humanos. São elas que nos fazem dar valor a cada pequena conquista, pois foi suada, desejada. São elas que nos mostram o quanto somos pequenos diante da vida, desbastam nosso ego e desmancham nossas certezas.


Mas não podemos permitir que os nãos nos roubem a capacidade de se encantar. A cada novo instante há uma chance de começar tudo de novo, só precisamos nos permitir um novo olhar.



A vida é mesmo assim, território desconhecido.

Gira veloz, no seu próprio tempo.

Nos ensina que o grande mistério

é encontrar, dentro de nós,

a arte de sermos o nosso próprio sim.

E assim talvez a gente aprenda, ao final, a ser mais feliz.

Só precisamos ser mais gentis com ela e com a gente mesmo.



Monique Abbehusen

Instagram: @moniqueabbehusen